Destaque

Quem realmente somos? 

Quando eu era criança, sentia muito medo quando em meus pensamentos surgia a idéia que o universo era muito maior do que o aprendido por mim através dos “religiosos”.

Pensar que Jesus nunca poderia ter andado sobre as águas ou que Jonas não poderia ter sobrevivido após 3 dias dentro da baleia, eram pensamentos “sujos” pra uma criança em pleno curso da primeira comunhão. Sem dúvida um pecador dos bons 🙂

Hoje, depois de estudar sobre, me faz lembrar um pouco o período de Galileu, insistir poderia ser um “crime” entre os que ali estavam ao meu redor, porém com uma pena bem mais evoluída moralmente, ou não, a rejeição social.

Os avanços científicos tem cada vez mais esclarecido nossas origens e hoje de forma simples podemos afirmar que somos uma mínima parte do universo, mas tão importante como as demais. 

Atualmente, após entender que estamos num planeta entre milhões de espécies, localizado numa galáxia de bilhões de planetas, onde esta galáxia se insere entre trilhões de aglomerados de galáxias, ou seja, infinito, soará bem arrogante nos definirmos como FORMIGAS, refletindo melhor estamos mais para GRÃO de areia. 

E o que fazer com esta info???????

Bom, à mim sempre cai muito bem a reflexão de que somos mínimos e precisamos aproveitar mais nossa experiência enquanto vivos no mundo físico. Amanhã já está tarde demais.

Abondonemos os rótulos, os vícios, o adestramento da sociedade, as ondas comerciais e vamos focar em nossos sentimentos, evolução moral, a conquista da AMIZADE sem distinção de cor, cheiro, idioma ou cultura. 

Vamos deixar de ser territoriais e ser mais universais. 

Abrir as nossas janelas, que são os nossos olhos e deixar a Sol entrar, que é a luz soberana, seja qual for a doutrina ou palavra que te faça livre para ser uma pessoa melhor.

Segue uma dica: Quem ainda não assistiu, não perca a chance, é o documentário mais bem produzido no planeta até aqui. 

O apresentador, Neil De Grasse Tyson é excepcional e deu sequência a altura do trabalho de Carl Sagan na década de 80.

Netflix já possui disponível e Internet também. 

Abraços e lembre-se, você nasceu para ser feliz.

Cesar B.

Programa Bial – Evangélicos

Na terça tive a chance de assistir o programa “Conversa com Bial”. 

Sobre o programa achei uma conversa muito “montada”, coisas super combinadas, isso faz perder a espontaneidade da conversa, parece muito mais uma entrevista. Daí lembrei que ele foi um grande jornalista e manda bem nas narrações e comentários, tudo praticamente criando e atuando sozinho, ou seja, este programa neste formato será um desafio pra ele, talvez não vamos ter paciência. 

Além disso, entrevista com muitos participantes que não se conhecem, todos aos mesmo tempo, acaba causando a superficialidade no diálogo. 

Eles são youtubers, nunca irão criar problema entre eles, afinal, possuem o mesmo público. 

Sobre o conteúdo, sou um sem religião que acredito em diferentes doutrinas, gosto de estudar, aprender, testar, pesquisar, observar, testar… 

Então achei bem interessante o novo modelo que estão propondo, mas ainda possui muito exagero, apelo. É um caminho mais suave e com isso mais atrativo. 

Opinião própria, o movimento “Viver para Cristo” me faz visualizar muito mais viver podado à evoluir com consistência no âmbito moral e emocional. MAS opinião é isso, nem certo nem errado, sejam todos felizes e paz no coração! 

Cesar B.